Publicidade

França e Reino Unido registram final de ano mais quente da história

Por LivreTV Notícias em 01/01/2022 às 12:13:37
Em pleno inverno, recordes de temperatura se explicam por conta de uma corrente anticiclone que está trazendo uma massa de ar subtropical do norte da África para a Europa. Vista da Torre Eiffel da praça do Trocadero, em Paris

Gonzalo Fuentes/Reuters/Arquivo

O cenário de ano novo no hemisfério norte costuma ter neve ou, ao menos, pesados casacos de inverno. Não é o caso este ano. Com uma temperatura média nacional de 10,7°C, a França vive a semana mais quente entre Natal e réveillon desde que começaram os registros, em 1947.

O Reino Unido, onde os termômetros marcaram mais de 15°C no nordeste do país nesta sexta-feira (31), bateu seu recorde de calor.

Em Paris, os dias de sol e céu azul atraem os franceses para um passeio na rua ou nos parques. Com a alta na temperatura, as praias do sul do país receberam uma quantidade inesperada de turistas para aproveitar o calor que chegou a 20°C em Montpellier na quinta-feira (30), oito graus centígrados a mais que a normal para a estação.

Ômicron: países europeus tentam conter 'tsunami' de contaminações no ano novo

De acordo com a agência nacional francesa Météo-France, a média de temperatura no país entre os dias 24 e 31 de dezembro é a mais alta desde 1947, dado mais antigo. A média de temperatura foi de 10,7°C, cinco graus acima da média normal (5,3°C). Antes deste ano, os recordes de calor durante o inverno foram registrados em 2002 e 2015.

Os recordes de temperatura se explicam por conta de uma corrente anticiclone que está trazendo uma massa de ar subtropical do norte da África para a Europa, segundo informações da emissora Franceinfo.

O aumento de temperatura e as chuvas na França neste final de 2021, após um início de dezembro com muita neve, têm causado estragos na região dos Alpes. Na estação de esqui de Saint-Hilaire-du-Touvet, um funicular foi soterrado por uma avalanche de pedras, segundo informações da rádio local France Bleu Isère.

Variante ômicron na Europa: Itália, Portugal e Espanha têm recordes de casos em 24 horas

No departamento do Isère, 17 estradas foram bloqueadas por inundações e avalanches causadas pela chuva. Milhares de pessoas passarão o Ano-Novo bloqueadas em alguns vilarejos da região.

Ano-Novo mais quente do Reino UnidoO Reino Unido também tem sido afetado por este aumento de temperaturas. Nesta sexta-feira, o país registrou seu Ano-Novo mais quente, segundo a agência Met Office.

"Coningsby, em Lincolnshire (leste da Inglaterra), registrou hoje uma temperatura de 15,3 graus, o que significa que hoje é o Ano-Novo mais quente registrado no Reino Unido", comunicou o Escritório Met em suas redes sociais.

O recorde anterior havia sido estabelecido em 2011, quando a cidade litorânea galesa de Colwyn Bay marcou 14,8°C.

França assume presidência rotativa da UE a três meses das eleições

O leste e o sul da Inglaterra, incluindo a capital Londres, também registram temperaturas mais amenas que as esperadas para este período de inverno.

O Reino Unido como um todo tem registrado um clima "um pouco mais quente e seco que a média este ano, mas com variações em todo o país, particularmente em termos de precipitação", disse Mike Kendon, do Centro Nacional de Informação Climática do Escritório Met.

Apesar das temperaturas agradáveis, tanto na França quanto no Reino Unido o Réveillon não terá grandes festas de rua por conta do aumento de casos de Covid-19.

Pelo segundo ano consecutivo, a queima de fogos de artifício à beira do Tâmisa foi cancelada em Londres. Normalmente, cerca de 100 mil pessoas vão para o centro acompanhar a celebração.

Em Paris, a festa da avenida Champs-Élysées também foi cancelada por medidas sanitárias e os franceses estão proibidos de consumir álcool nas ruas do país neste Ano-Novo.
Comunicar erro
Publicidade

Comentários

Publicidade