Publicidade

Polícia Civil detalha operação que terminou com a morte de dois irmãos da prefeita de João Dias (RN)

Por LivreTV Notícias em 20/10/2021 às 17:22:46
Deusamor e Leidjan Jácome de Oliveira morreram após confronto com a polícia em Barras, na Bahia. Eles são apontados como os principais fornecedores de drogas no Nordeste, chegando a comercializar, durante os meses de investigação, mais de R$ 30 milhões em maconha No local onde eles estavam foram apreendidos um veículo de luxo, duas pistolas e munições

Polícia Civil/Divulgação

A Polícia Civil detalhou nesta quarta-feira (20) a operação que terminou com a morte de dois irmãos da prefeita de João Dias, cidade do interior do Rio Grande do Norte. Denominada 'Sinaloa', a operação aconteceu nas cidades de Vitória da Conquista e Barras, interior do estado da Bahia, em combate ao tráfico de drogas.

Os policiais foram a zona rural do município de Barras para cumprir mandados de prisão preventiva contra Deusamor Jácome de Oliveira e Leidjan Jácome de Oliveira pelos crimes de tráfico internacional de drogas, associação ao tráfico e organização criminosa.

De acordo com a Polícia Civil, no momento em que as equipes chegaram ao local os suspeitos atiraram nos policiais e houve confronto. Os dois irmão foram atingidos, socorridos ao hospital, mas não resistiram e morreram.

No local onde eles estavam foram apreendidos um veículo de luxo, duas pistolas e munições. Ainda segundo informações da Polícia Civil, os suspeitos são apontados como os principais fornecedores de drogas no Nordeste, chegando a comercializar, durante os meses de investigação, mais de R$ 30 milhões em maconha. Além disso, a dupla atuava como uma empresa, com divisões de tarefas e filiais dentro e fora do país.

Armas encontrados no local onde estavam os irmãos Deusamor e Leidjan Jácome de Oliveira,

Polícia Civil

Também nesta terça (19) outro irmão da prefeita de João Dias foi preso na operação. Romeu Jácome de Oliveira, de 35 anos, foi detido dentro de um shopping. Em seu desfavor existia um mandado de prisão em aberto por tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico e organização criminosa.

Outras prisões

Em junho deste ano Samuel Jácome de Oliveira, também irmão da prefeita de João Dias, foi preso pela polícia em Aracaju.

Os suspeitos também são filhos do atual presidente da Câmara de Vereadores de João Dias, Laete Jácome (PP) - apontado pela polícia como líder do grupo - e irmãos da vereadora Damares Jácome.

Laete Jácome foi preso em flagrante, dentro de casa, em outubro de 2020, junto com outras seis pessoas. No imóvel, onde foi cumprido um mandado de busca e apreensão, foram encontradas armas e munições.

As armas eram: duas espingardas calibre 12 com 100 munições do mesmo calibre, dois rifles calibre 38 com 103 munições, e três pistolas calibre 380, com 80 munições. Também foram encontrados R$ 15.535 em dinheiro.

A própria prefeita, então candidata a vice, também teve mandado de prisão expedido pela Justiça e ficou foragida, na época, por suposto envolvimento em grupo responsável por receptação posse ilegal de arma de fogo, mas está em liberdade por decisão da Justiça. Ela foi eleita como vice, mas assumiu o comando do município após a renúncia do prefeito eleito, Marcelo Oliveira, em julho deste ano. Nesta quarta (20) ela decretou luto oficial de três dias na cidade.

João Dias é um dos menores municípios do Rio Grande do Norte e tem uma população estimada em 2.653 pessoas, pelo IBGE. Ainda de acordo com o órgão, em 2019, apenas 7,4% tinha alguma ocupação e o salário médio era de 1,7 salário mínimo.

Operação

A operação Sinaloa contou com a integração de diversos órgãos de segurança: Polícias Civis da Bahia, de Sergipe, de Alagoas, da Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio Grande do Norte, da Superintendência Regional da Polícia Rodoviária no RN e em AL, além do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN).

O nome da operação faz referência à cidade de Sinaloa, localizada no oeste do México, utilizada como ponto estratégico de atuação do cartel para a prática do tráfico de drogas, comercializando para dentro e fora do país.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181, ou por meio do Disque DEICOR, no número: (84) 3232-2862, além do aplicativo WhatsApp: (84) 98135-6796.
Comunicar erro
Publicidade

Comentários

Publicidade