Publicidade

Iniciativas sustentáveis em unidades de conservação garantem sustento de famílias e protegem a natureza no AM

Por LivreTV Notícias em 18/10/2021 às 17:05:48
Levantamento mostra que entre os meses de janeiro e agosto deste ano houve uma redução de 61% no número de queimadas em 16 unidades de conservação do estado. Comunidades estão reduzindo focos de incêndio no Amazonas

No Amazonas, apesar do recorde de queimadas no mês de agosto, iniciativas sustentáveis em 16 unidades de conservação tem garantido o sustento de famílias e a redução dos focos de incêndio nesses locais.

Na Comunidade do Tumbira, a uma hora de barco de Manaus, Roberto Brito trabalha com turismo - uma rotina bem diferente de anos atrás.

“Se você olhar dez anos atrás, onze anos atrás, a gente estaria no mato derrubando madeira para se sustentar, sem qualidade de vida nenhuma, só somando mais com o desmatamento", diz Brito.

Ele deixou a extração de madeira quando a comunidade passou a fazer parte de uma unidade de conservação ambiental. Agora, para fazer o uso da terra ou extrair qualquer matéria-prima da floresta, é preciso ter autorização e o acompanhamento de órgãos ambientais.

Qualquer ação que cause impactos negativos ao ambiente é considerada criminosa.

A artesã Izolena Garrido produz biojóias.

“Sem a natureza a gente não teria nenhuma matéria-prima para construir, não teria cores para minha fibra, não teria fibra para eu fazer, então a minha maior parceira, aliada, amiga, chama-se Natureza”, diz.

Um estudo da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostrou que as medidas de proteção têm gerado bons resultados.

O levantamento mostra que entre os meses de janeiro e agosto deste ano houve uma redução de 61% no número de queimadas em 16 unidades de conservação do estado, comparado ao mesmo período do ano passado.

O número é bastante significativo porque essas unidades abrangem mais de 11 milhões de hectares de floresta.

Os moradores de uma comunidade de indígenas da etnia baré transformam a madeira que encontram caída na mata em artesanato. As peças são vendidas em uma plataforma digital.

“De 70% a 80% do valor de compra do produto é feito diretamente para o artesão. A grande vantagem é que o impacto econômico disso possa ajudar as comunidades a melhorarem economicamente e isso possa melhorar a qualidade de vida dos que moram na floresta”, explica Wildney Mourão, coordenador de empreendedorismo da FAS.

“Através da arte é representada a identidade do povo. Representa essa conexão com a natureza”, disse o artesão Joarlison Garrido.

“Importante lembrar que a Amazônia em pé é de interesse nacional. A crise hídrica que hoje afeta a tarifa de energia elétrica, ela vai ser muito mais grave no futuro se continuarmos desmatando a Amazônia como estamos fazendo, porque a Amazônia demita os rios flutuantes, as chuvas que abastecem os reservatórios em todo o Brasil”, explicou o superintendente da FAS, Virgílio Viana.

Unidades de conservação no Amazonas

Janailton Falcão/Sema

Veja os vídeos mais assistidos do Amazonas
Comunicar erro
Publicidade

Comentários

Publicidade